quinta-feira, setembro 28, 2006

Memórias...

Fumava. A contraluz, percebia apenas tratar-se de uma mulher. Lá dentro, as portas iguais, tal como delas me lembrava. Olhava a rua, ou outra coisa qualquer. Impossível perceber. Talvez pensasse, como tantas vezes fiz, na mesma posição, apoiado na mesma varanda, sobre o mesmo Largo da Esperança. Foi há uma vida. O tempo não pede licença quando passa a correr...

Recordo a primeira noite... A casa vazia, as portadas escancaradas, e as luzes apagadas. No centro da sala, pronto a zarpar, um colchão forrado a branco e ar. Ao mar, navegantes, (sem) rumo à felicidade!

Viagem

Aparelhei o barco da ilusão
E reforcei a fé de marinheiro.
Era longe o meu sonho, e traiçoeiro
O mar...
(Só nos é concedida esta vida
Que temos;
E é nela que é preciso
Procurar
O velho paraíso
Que perdemos).

Prestes, larguei a vela
E disse adeus ao cais, à paz tolhida.
Desmedida,
A revolta imensidão
Transforma dia a dia a embarcação
Numa errante e alada sepultura...
Mas corto as ondas sem desanimar.
Em qualquer aventura,
O que importa é o partir, não o chegar.

(Miguel Torga)

4 comentários:

MissangaAzul disse...

É tão bom poder ler outras vez as palavras que escreves...
:)

Anónimo disse...

Big Phill,

Fico contente por ver que reabilitaste o Ugly Kid.

Eu percebo-te. Porque não é fácil estar muito tempo sem fazer aquilo que nos dá prazer.

Entre outras coisas, por exemplo escrever.

"Dá-lhe, puto!"

Felicidades, Amigo Jornalista!
- Gde Abraço -

Filipe Feio disse...

:))))))))

Anónimo disse...

"Prestes, larguei a vela
E disse adeus ao cais, à paz tolhida.
Desmedida,
A revolta imensidão
Transforma dia a dia a embarcação
Numa errante e alada sepultura...
Mas corto as ondas sem desanimar.
Em qualquer aventura,
O que importa é o partir, não o chegar."

Desculpa repetir. Mas é por demais demais bonito. O som destas palavras. E a verdade que nelas reconheço.

Tudo bem? Saúdo o regresso do Ugly Kid!
Beijinhos e...à bientôt!!!