sexta-feira, outubro 20, 2006

Viagem interminável...

Há sensações viscerais que me controlam. Que me violam. Emoções animais que me tranformam, e me deformam. Palavras que não contenho, que deixo sair. E gritos que não detenho, e que deixo fugir. Monstruosidades que geram perplexidades, e que me entregam o que ainda sou... Um caminhante errante, com o infinito para percorrer. Crescer tem que doer...



[Momento único, hoje, no Centro de Recuperação de Animais Silvestres do Parque Florestal de Monsanto. Momentos tristes, também, no Parque de Irrecuperáveis... Oiço The Afterlife Lounge, de Afterlife...]
...
CRASPFM . www.cm-lisboa.pt/pmonsanto
Afterlife . www.theafterlifelounge.com

5 comentários:

Anónimo disse...

Este teu texto deixou-me cinzenta.
Sugou-me para o Outono.
Desassosegou-me...

Filipe Feio disse...

Foi? Porquê? Apenas digo que há muito que aprender... E isso é bom, não é?

Que chorar faz parte de viver, e que para amar é preciso sofrer.

"Melhor viver que ser feliz", dizia o Vinicius...

Anónimo disse...

There was a boy
A very strange, enchanted boy
They say he wandered very far
Very far, over land and sea
A little shy and sad of eye
But very wise was he

And then one day,
One magic day he passed my way
While we spoke of many things
Fools and Kings
This he said to me

The greatest thing you'll ever learn
Is just to love and be loved in return.


(Nature boy - Eden Ahbez)

Anónimo disse...

A tua serenidade perante as ironias da vida é tão apaziguadora...
Deixa-me aprender contigo.

Filipe Feio disse...

:)